Histórias da Construção

Série Estilos do Brasil: A fusão de cores com a arquitetura colonial do Nordeste 

blank

A cultura nordestina, presente em cada estado da região, encanta pela beleza e valorização de cada elemento. Seja na gastronomia, no artesanato, na música ou na natureza, o Nordeste do Brasil atrai olhares de diferentes lugares do país e do mundo, que se apaixonam pelos encantos da região, os quais merecem ser apreciados e valorizados. 

Um fator de grande destaque nas cidades nordestinas são as cores que se destacam nas arquiteturas belíssimas, as quais são conservadas e preservam a identidade da arquitetura colonial. Venha conhecer melhor as belezas da arquitetura nordestina!

blank

A arquitetura nordestina tem uma história rica e repleta de belezas e características com grande influência da arquitetura portuguesa. 

Com a colonização dos europeus no Brasil, o estilo arquitetônico dominou a região, principalmente na arquitetura sacra, com o luxo e a riqueza de detalhes na decoração das igrejas. No caso das residências, elas inicialmente tinham características mais simples, e até mesmo as grandes casas das fazendas não apresentavam tantos elementos decorativos, mas já exploravam o enorme espaço interno e as varandas.

blank
Interior da Igreja de São Pedro dos Clérigos – Salvador/BA

O luxo e a ostentação nas residências começaram a ficar mais evidentes com a chegada da família real portuguesa ao Brasil, que desembarcou em Salvador em 1808 e logo após seguiu para o Rio de Janeiro. 

Com o avanço da urbanização das cidades no século XVII e a necessidade de proteção das moradias contra o ataque de piratas no litoral, surgiram as casas geminadas, seguindo um modelo mais compacto. As fachadas formavam praticamente um grande “paredão”. 

blank
Basílica do Senhor do Bonfim – Salvador

Os traços da arquitetura barroca estão presentes com grande destaque em igrejas na região Nordeste. Esse estilo arquitetônico apresenta características que exaltam o cristianismo, com elementos de arcos, colunas arredondadas, decoração exuberante, predomínio da cor dourada na parte interna e, do lado externo, cores claras como tons de bege e branco.

As cores que colorem a arquitetura nordestina

blank
Olinda/PE

O contraste entre as cores das edificações embeleza os imóveis das cidades. As casas costumam ter um ar modesto, com traços coloniais, e são preservadas até hoje com suas fachadas coloridas e com determinadas características.

blank
São Miguel dos Milagres/AL

Elas são conhecidas como platibandas, ficam localizadas na parte superior da fachada e tinham o papel de “esconder” o telhado, evitando que a água da chuva fosse lançada na rua.

Além desta utilidade, as platibandas também eram pensadas de forma que valorizassem a construção e decorassem a edificação.

Entre os elementos mais comuns nesse tipo de estrutura, estão o registro do ano da construção, as conchas barrocas, as águias e as esculturas de mulheres, entre outros. Em capitais como Salvador, Recife e Natal, é possível encontrar muitas casas e edifícios públicos em que as platibandas se destacam. Além de ser uma referência aos tempos das monoculturas, elas estão ligadas à identidade cultural nordestina.

As pinturas à base de cal de platibandas e fachadas são uma prática artesanal praticada há bastante tempo e que é muito característica da região. 

blank
Marechal Deodoro/ AL

Tanto nas capitais quanto nos interiores e sertões, as casas com fachadas coloridas se destacam nas cidades. A diversidade de cores forma uma espécie de arco-íris característico e único da cultura nordestina.

Durante o processo de revitalização que aconteceu a partir do final do século XX, muitos edifícios ganharam cores vivas que se mantêm preservadas até os dias atuais.

blank
João Pessoa/PB

Um fator interessante é que as cores usadas nas fachadas também mostram um pouco da personalidade dos moradores. Essa é uma característica que ajuda a revelar a identidade do povo da região. 

Acesse nossos últimos artigos da Série Estilos do Brasil!

rede do amigo

Gostou? Compartilhe!
De um a cinco, que nota você dá para esse conteúdo?
E aí, ficou com alguma dúvida ou quer comentar algo sobre esse conteúdo?




    Mais Artigos Sobre Histórias da Construção